0E CARQUEJA AMARGA GT BRASIL 10,1 ml - LASZLO N/R C 386 (Código do produto: 0CA0001)

Produto indisponível
R$ 40,20

Recomendar

Descrição

Óleo essencial de Carqueja Amarga.

ÓLEO ESSENCIAL DE CARQUEJA MOSTROU-SE EFICAZ CONTRA SCHISTOSOMOSE

A esquistossomose é uma infecção parasitária negligenciada que afeta, principalmente, populações de países tropicais em desenvolvimento. As diretrizes dos programas de controle das helmintíases preconizam o tratamento em massa utilizando o praziquantel (PZQ). Contudo, o emprego deste fármaco em larga escala pode desencadear o aparecimento de resistência sobre Schistosoma sp. Nesse sentido, o estudo de espécies vegetais conduz uma alternativa promissora com expectativa de obtenção de um fitofármaco para tratamento e controle da doença.

Neste trabalho, realizou-se um estudo fitoquímico por meio do fracionamento e identificação de substâncias do óleo essencial (OE) de Baccharis trimera (CARQUEJA) e avaliou-se o efeito das amostras contra vermes adultos de Schistosoma mansoni por meio de ensaios in vitro, utilizando sondas fluorescentes específicas a fim de identificar possíveis sítios de ação sobre o sistema excretor e integridade de membrana de Schistosoma mansoni. Além disso, avaliou-se, in vivo, o efeito do OE e substâncias identificadas, em diferentes estágios de desenvolvimento do parasita. Os resultados fitoquímicos evidenciaram que o OE de B. trimera apresenta substâncias da classe monoterpenos e sesquiterpenos, porém, maiores percentagens de sesquiterpenos.

Em relação aos estudos in vitro, observou-se que as amostras avaliadas influenciaram na motilidade dos vermes, suprimiram a oviposição em todas concentrações avaliadas e ocasionaram a mortalidade dos vermes machos e fêmeas entre 06 e 24 horas de incubação. Em relação as análises morfológicas dos parasitas, realizadas por meio da Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV), observou-se que os tratamentos ocasionaram alterações no tegumento dos vermes machos e fêmeas, após 24 horas de incubação na concentração de 100 µg/mL, caracterizadas pela descamação, perda dos tubérculos e espinhos, contração muscular, enrugamento corporal, além de alterações nas ventosas oral e acetabular em ambos os sexos do parasita. Adicionalmente, observou-se que os sesquiterpenos, alfa-humuleno e trans-cariofileno, influenciaram na expressão da P-glicoproteina (PgP) dos vermes machos, marcados com Resorufin. Observou-se também que estes tratamentos ocasionaram alterações na integridade da membrana dos vermes machos e fêmeas, após marcação com Hoechst 33258. Em relação aos estudos in vivo, observou-se que a associação entre OE+PZQ, potencializou a atividade do PZQ sobre as formas imaturas de S. mansoni. Entretanto, para os tratamentos realizados em dose única (100 mg/kg), observou-se maiores reduções da carga parasitária dos animais tratados com OE, alfa-humuleno e espatulenol, contra as fases - esquistossômulos e vermes jovens- de S. mansoni.

Além disso, observou-se uma redução significativa de ovos eliminados nas fezes, alterações no oograma, evidenciando parada de oviposição após a administração dos tratamentos na fase pré-postural da esquistossomose. Finalmente, se observou redução do número e tamanho dos granulomas hepáticos, bem como redução do infiltrado inflamatório, evidenciando, desta forma, o efeito hepatoprotetor de B. trimera e os efeitos antiiflamatório e imunomodulador dos sesquiterpenos alfa-humuleno, trans-cariofileno e espatulenol.

Os resultados obtidos neste estudo, evidenciam o efeito terapêutico de B. trimera contra diferentes estágios de desenvolvimento do S. mansoni.

Link da pesquisa: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/…

 

 

Facebook